BeijoSol

Dormia um sono surdo;
sono justo,
diminuto,
quase morte,
confusa morte, sustenido,
quase fuga, sem sentido,
era grave… porém breve.

Acorde! Sentiu baixo. É o Sol!
Pausa… é o Sol!

Seu coração ritimiu, aumentado,
com sentido riu, sem compasso,
despertou e viu o meio dia
e um belo sopro bemolado
lhe acertou a face! Quem diria!

Agora ouvia a melodia,
mas não a via, desarmado;
não a via, embaraçado;
não a via, encantado;
havia sim, o entortado,
porque não havia como ver,
a cor do amor desacordado,
a cor do amor,
acorde amor…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s